Como a Primeira Guerra deu início às cirurgias estéticas

A Primeira Guerra foi uma das mais destrutivas da história, em que ao menos 2 milhões de pessoas morreram e o número de feridos é muito superior e difícil de ser calculado.
Entre os feridos, muitos passaram por amputações e foram desfigurados pela guerra. Para aliviar a dor dessas pessoas, o Dr. Harold Gilles, do Reino Unido, centrou seu trabalho para dar a alguns desses sobreviventes a oportunidade de voltar a ter uma vida normal.
Durante o tempo em que esteve no front da batalha, o doutor e soldado Harold Gilles presenciou os esforços extenuantes de um dentista francês-americano para consertar a dentição de soldados feridos por bala. 
Foram essas as circunstâncias que fizeram Gilles notar o quão importante era poder ajudar a reconstruir não apenas os dentes, mas o rosto dos soldados feridos. Assim, ao voltar à Inglaterra, por volta de 1917, ele pressionou as autoridades militares a iniciarem reconstruções faciais no Hospital Militar de Cambridge.
Após um sucesso imprevisto, em 1917, foi aberto um novo hospital dedicado exclusivamente a esse tipo de tratamento. O Dr. Harold Gilles, quase sem se dar conta, havia dado os primeiros passos no terreno que, hoje, conhecemos como cirurgia plástica. (History)

Share/Bookmark

0 comentários: