PREFEITURA

xxxxxxxxxxxx

PCC recruta pessoas com próteses para colocar celular em presídios

Criminosos ligados à facção criminosa PCC criaram, na estrutura da organização, um setor destinado só para buscar formas de bular a fiscalização em presídios, especialmente em São Paulo, e entregar celulares a criminosos confinados.
Entre as estratégias usadas pela facção está o recrutamento de mulheres com algum tipo de prótese ou órtese (como pinos no corpo) e até gestantes que seriam isentas de revistas por equipamentos eletrônicos. Essa estrutura criada pelo PCC é chamada na facção de “Setor do Embrulho”.
A cooptação de pessoas com próteses e órteses foi notada pela Polícia Civil de São Paulo durante a operação Echelon, quando foi interceptada a conversa de um preso de Pacaembu (SP) com uma mulher que seria desse setor.
⏩    Mostrar matéria completa  
Na ligação, o homem reclamava da dificuldade da entrada de celulares depois da implantação de escâneres para revistar as visitas. Estava tão complicado, reclamava o preso, que na cela em que estava havia “só quatro telefones”.
A mulher, então, apresenta a solução. Diz ter arrumado uma amiga com “pino e platina” implantados no corpo. Nessas condições, garantia a interlocutora, a visita “não passaria pelo escâner e entraria com o aparelho celular.”
Em outra ligação de criminosos flagrada pela polícia, um homem ensina a uma mulher o serviço dela no setor. Pede para que anote um modo de empacotar um celular capaz de burlar equipamentos.
“Aí vem com a fita 3M em cima, uma camada, lacra com 3M inteirinha, aí depois vem com três carbonos de um lado e três carbonos de outro, no meio do carbono cê joga um pouco de pó de grafite também, entendeu?”, diz ele.
Ela responde: “Calma aí, calma aí, calma aí eu to na parte do Super Bonder ainda, Super Bonder faz uma caixinha, aí passa o quê? A fita 3M?”
De acordo com pessoas ligadas a presos ouvidos pela Folha, a maneira mais utilizada (com certo sucesso) tem sido a contração de grávidas porque, em algumas unidades, não precisam passar pelo escâner.
O relatório da polícia diz que a facção se esforça para colocar celulares na prisão porque há necessidade vital em seu uso. “A comunicação constitui espinha dorsal para a sobrevivência da organização criminosa, controle da massa e perpetração de crimes em série”, diz trecho do documento da operação Echelon.
A operação teve início com apreensão de bilhetes que chefões do PCC presos em Presidente Venceslau tentavam mandar a subordinados.
Os papéis foram dispensados pelos bandidos pela descarga do banheiro, durante as revistas nas celas, sem saber que agentes penitenciários colocaram redes no sistema de esgoto para “pescar”os papéis.
A investigação foi concluída em junho deste ano, e resultou na denúncia pelo Ministério Público de SP contra 75 pessoas em todo o país.
Em cerca de um ano de investigação, os policiais flagraram dezenas de presos usando livremente o celular. Inclusive, conforme a Folha revelou, em unidades com bloqueadores de sinal do aparelho.
Em uma das ligações monitoradas, presos dizem usar microcelulares, do tamanho de um pendrive, que, por serem feitos quase inteiramente de plástico, passam facilmente por detectores de metal.
Mas há inconvenientes, como eles narram: “Caramba. O telefone de vocês aí é ruim pra caramba, mano... cê tá falando de que aí? De... De...? aqueles telefoninho igual o meu aqui?”, diz um preso.
Ao que o outro responde: “Lanterninha. Tem um nokiazinho lanterninha que a família me deu aqui, entendeu?”
“Caramba, mano. Tem outro aí não? Não tem nenhum outro aplicativo pra arrumar pra você não, mano?”, questiona o primeiro bandido.
Para combater a entrada desses microcelulares nos presídios paulitas, o governo instalou — desde o ano passado — scanners corporais em quase todas as unidades.
Em nota, a Secretaria da Administração Penitenciária afirma que até mesmo deficientes físicos são submetidos ao equipamento e qualquer objeto introduzido no corpo é detectado, mesmo que a pessoa tenha pinos de platina pelo corpo.
“A política da pasta é de tolerância zero com relação à entrada de objetos ilícitos, sejam eles celulares, entorpecentes, entre outros, em suas unidades prisionais”, diz a nota.
A pasta afirma que os que são pegos tentando entrar com esses objetos “são automaticamente retiradas do rol de visita e sofrem as medidas penais cabíveis”.
Agentes públicos também podem ser demitidos e processados criminalmente. Já quanto as grávidas, o governo diz que elas “podem” ser submetidas aos escâner. (Via: Folhapress)
Reproduzido por Blog Tv Web Sertão
http://www.blogtvwebsertao.com.br/search/label/EVENTOS%20ELITE%20DIGITAL

Compartilhe: WhatsApp, Faceboock, etc...