Gilmar Mendes defende uso de vazamentos ilegais contra a Lava Jato

Ministro tem se mostrado um dos maiores opositores da operação.
Os ministros Marco Aurélio Mello e Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), comentaram nesta terça-feira (12) reportagem do site The Intercept produzida com base no vazamento de trocas de mensagens – extraídas de um aplicativo – entre o ex-juiz federal Sergio Moro e o coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato no Paraná, procurador da República Deltan Dallagnol.
“Não necessariamente. Se amanhã alguém for alvo de condenação por assassinato e se descobre por prova ilegal que ele não é autor do crime se diz, em geral, que essa prova é válida”, disse o ministro.
Ele defendeu ainda que é preciso aguardar o desdobramento, para se ter uma ideia do que existe por trás das conversas obtidas de modo ilegal pelo site The Intercept. O tema tem gerado grande discussão nas redes sociais, principalmente pelo fato de se tratar de uma grave violação da privacidade das autoridades envolvidas.
⏩    Mostrar matéria completa  
“Vamos aguardar. Tem vazamentos, vocês anunciam novos, vamos aguardar desdobramentos. Para se ter uma ideia segura do que existe”, afirmou.
Juristas de esquerda defendem que o conteúdo das mensagens trocadas, apesar de até agora não revelarem nada que comprometa o ex-juiz, hoje ministro da Justiça, e o coordenador da força-tarefa, pode ser usado mesmo sendo ilegal. Eles afirmam que pode anular condenações ou mesmo argumentar a sua suspeição.
No entanto, analistas afirmam que não há nada de ilegal nos diálogos trocados entre Sergio Moro e Deltan Dallagnol, pois em nenhum momento o ex-juiz extrapolou sua competência ou conduziu ou produziu provas contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, principal beneficiado com os vazamentos das conversas.
Reproduzido por Blog Tv Web Sertão
...............................................................
AFOGADOS VEÍCULOS.COM - Lojas, Peças e Serviços em Afogados (CLICK AQUI)