https://www.facebook.com/pg/saudeiguaracy/posts/?ref=page_internal

Fim da epidemia do coronavírus no Brasil será no fim de junho, diz professor da UFRPE

Em entrevista à Rádio Jornal, o professor especialista em análise de sistemas da Universidade Federal Rural de Pernambuco Antônio Manso afirmou que estudos já apontam que o fim da epidemia do novo coronavírus no Brasil deve acontecer até o fim de junho.
“Há estudos que já mostram que o fim da epidemia no Brasil será no fim de junho. Seria cerca de 99% de encerramento na metade de junho. Dessa forma, matematicamente pelo modelo epidemiológico, podemos dizer que o país atingiu o pico, que é caracterizado pela inflexão da curva. Com isso, ela começa a cair tão rápido quanto subiu. Então em breve devemos assistir o número de infectados diariamente diminuir a uma taxa semelhante à taxa que crescia”, explicou.
Uma pesquisa realizada pelo professor destacou que com base nos números de Israel, no Oriente Médio, o estado de Pernambuco deve achatar a curva em breve. “No caso de Pernambuco, a curva ainda não chegou nesse nível, ainda não atingiu o pico. Ela continua crescendo, mas numa aceleração menor.
O nosso estado tem três níveis onde a curva exponencial foi sendo desacelerada. Estamos praticamente no último nível, ou seja, com mais um esforço da população, que passe a não se considerar presa em casa e sim salvos, em breve teremos uma situação positiva como em Israel, com o número de contaminações diárias diminuindo”, expôs. Manso explicou também porque utilizou o país do oriente médio como exemplo para dar linearidade à pesquisa para todos os estados.
“Na ciência, estatisticamente, quando a gente quer testar uma hipótese, procuramos uma prova. Por coincidência, adotamos como prova o país de Israel. Lá eles tem uma população próxima a de Pernambuco. Até agora eles estão com 234 mortes, 16 mil infectados e o fim da epidemia está previsto lá para o dia 21 deste mês. Algumas atividades lá já voltaram ao normal, como as aulas, o trabalho, só que continua obrigatório o uso de máscara e a proibição de aglomeração”, finalizou o professor Antôn