Sociedade Brasileira de Dermatologia investiga surto de lesão misteriosa na pele em Pernambuco

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) divulgou nota na qual informa que está monitorando a situação em Pernambuco, depois que um surto de um tipo de lesão misteriosa na pele que causa coceira passou a preocupar autoridades de saúde.
O estado já registrou mais de 200 casos — 134 no Recife, 62 em Camaragibe e 6 em Paulista. Uma equipe de especialistas das secretariais estadual e municipal (do Recife) de saúde estão investigando em conjunto a possível causa do problema. Desde o início do surto, diversas possíveis causas vêm sendo apontadas.
Uma pesquisa do Núcleo de Estudos em Farmacoterapia da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), divulgada na sexta-feira (26) pelo site g1, relaciona a escabiose (sarna humana) ao uso indiscriminado de ivermectina. Segundo os pesquisadores, esse estudo pode ajudar na investigação do surto registrado em Pernambuco.
Em entrevista ao jornal Folha de Pernambuco, o infectologista Demetrius Montenegro, que faz parte do grupo que investiga as causas das lesões, descartou a possibilidade de que elas estejam associadas à Covid-19 ou vacinação e minimizou as chances de o problema ter relação com arboviroses (como Dengue).
O especialista disse ainda que amostras de água da região onde se concentram os casos estão sendo analisadas e que foi iniciada uma pesquisa de ácaro na pele de pessoas que apresentaram a lesão. Uma das doenças causadas por ácaro é a sarna.
Outra hipótese levantada pelo infectologista é que as lesões possam ter sido causadas por um desiquilíbrio ambiental. Alguns dos bairros com mais casos estão próximos a áreas de mata. No entanto, ainda não há certezas sobre as origens e causados do problema.
“A SBD afirma ser prematuro definir causas e diagnósticos com base em hipóteses que, sem confirmação, apenas podem gerar pânico ou trazer percepção de insegurança na comunidade. Assim, a Sociedade Brasileira de Dermatologia solicita à população que aguarde o avanço das investigações em andamento e continue a seguir as orientações das autoridades sanitárias”, diz a nota.
Os primeiros casos dessas lesões de pele que causam coceira começaram a aparecer no começo de outubro. Os principais sintomas apresentados pelos pacientes são vermelhidão e coceira no local, normalmente localizadas no tronco e nos braços. O problema já afetou pessoas de todas as idades, indo desde crianças de 2 anos a idosos com 96 anos. Até o momento, não houve registro de agravamento associado a esses quadros.
Em nota, a Secretaria municipal de Saúde do Recife (Sesau) informou que “as investigações estão sendo feitas por meio de exames laboratoriais e de ações nas localidades, entre elas, a captura de mosquitos e de ácaros”. A pasta disse também que nesta semana “serão realizados exames de raspado de pele em pessoas que apresentaram os sintomas”.
A Sesau recomenda que pessoas que apresentam esses sintomas não se automediquem, mantenham as mãos higienizadas e busquem uma unidade de saúde para receber o tratamento médico.
Agência O Globo